sábado, 28 de março de 2015

Terapia!

E a maioria das vezes que eu lia um blog de culinária, eu sempre achava o blog chatinho, superficial, e outras vezes eu lia alguns que falavam da comida com um amor e uma paixão que eu não entendia...afinal, era só comida né!
Pois bem, eis que surgiu nestes últimos dias uma suspeita inesperada, devastadora, ameaçadora e amedrontadora de um nódulo no meio seio esquerdo...sabe, dava pra sentir no toque e meu histórico familiar é horroroso, então tive que correr pra minha médica, que mandou eu ir à uma Mastologista, que me pediu um monte de exames...e isso me tombou! Isso me deixou paralisada.
Logo eu, que sempre fui tão forte e tão corajosa...passou milhares de coisas pela minha cabeça e eu definhei em mim mesma, me afoguei numa tristeza, e já sabia que daria tudo positivo, eu tinha um tumor, teria que encarar um terceiro câncer e iria morrer!
Então, fui fazer os exames, mas não estava nada otimista...pois sempre tudo o que é raro de acontecer, acontece comigo. Assim que eu sempre pensei depois de todas as minhas batalhas...fiquei irreconhecível, não tinha coragem de me olhar, de conversar sobre nada, não queria ter que encara isso...me acovardei, porque de tudo o que já aconteceu comigo, dessa vez eu não queria ser forte.
E peguei meus exames ontem...e pra minha surpresa TUDO NEGATIVO!!!!!
É só um cisto, gorduroso, feio e chato, que apareceu pra me sacudir!
E sacudiu, e como sacudiu.
A parte boa de ter passado por esse susto foi que eu percebi que TÔ VIVA, que as coisas que já aconteceram, simplesmente já aconteceram, já passou e isso não pode e não vai ficar definindo quem eu sou. Não posso ficar parada no tempo esperando que em algum momento algo de muito ruim vai acontecer e prender minhas pernas me impedindo de caminhar ou paralisando meus projetos.
Coisas acontecem, e acontecem o tempo todo...e sim, todo mundo tem problemas, não iguais aos meus, mas não menos importantes. Cada um sabe onde o calo aperta, cada um sabe até onde pode ir, ou como pode ir...o câncer me travou por anos, e as vezes tenho medo de seguir em frente quando penso na possibilidade dele voltar e destruir com tudo...mas não posso parar!
Preciso descobrir em mim e despertar em mim paixões antigas, coisas que me fazem ser mais feliz, mais disposta e esquecer dos meus medos.
Porque eu não pertenço ao câncer, e ele não me pertence, ele não controla mais a minha vida , porque esses últimos 4 anos foi vivendo com medo e sempre com a arma apontada pra minha cabeça, como se eu não pudesse me movimentar pois a qualquer momento a arma poderia disparar e acabar me matando.
Tô reorganizando minha mente, encarando meus medos, e abrindo meu coração.
Tô levantando, tô reagindo de todo o mal que o câncer me fez. E a partir de agora, estarei sempre preparada, não pra lutar, mas pra ser feliz!

E descobri que comida, não é só comida...é uma tarefa que te faz sentir prazer quando é feita com amor, porque alguém vai se sentar à mesa com você e compartilhar dos seus melhores momentos, e cada sabor desperta uma sensação diferente, que numa boa conversa, as coisas podem ir muito além do que aquilo que tá no prato!
Hoje me aventurei...nada de arroz, feijão, carne e batata...nada daquela comida robótica de todo dia, sem inspiração, sem motivação!
Despertei uma paixão antiga, um dom que eu sei que tenho, mesmo sem coragem de coloca-lo pra fora...mas agora as coisas serão diferentes...pois afinal EU TÔ VIVA!

Com vocês...
Filé de carne com batata assada, molho de cebola, cogumelo e creme leite, e vagem ao alho...
Tudo feito com amor!
E isso é só um almoço de sábado!

Aprendendo, que todo dia é uma oportunidade de fazer tudo diferente! E é exatamente isso que eu vou fazer!
Ah, eu tinha esquecido que também é raro seguir em frente sem ter medo, e se é raro, isso pode acontecer comigo também!
Cada dia, é um dia a menos com medo,  um dia a mais com coragem, e um dia a mais feliz!
Até mais!

Júlia Ribeiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Essas são histórias da vida da família Ribeiro, qualquer semelhança com a ficção é mera coincidência !